Mais um site WordPress.com

Através dos Regos

Dos Árabes, coube-nos a herança da sua sapiência no cultivo de hortas e pomares. Esta sabedoria estava em perfeita sintonia com os seus avançados conhecimentos de hidráulica. Elevar e conduzir águas, era uma necessidade ditada pela intensificação de culturas e aumento das áreas de regadio. Assim o exigia o seu apetite pelo consumo de frutas e legumes. As frutas que hoje fazem parte da nossa dieta alimentar, uma grande maioria passou igualmente pela mesa dos Árabes. Consta inclusive que foram percursores da engenharia vegetal, ao inventarem os damascos. Cardos, labaças e espargos eram matéria-prima culinária de apanho ao deus dará que, tal como nós, de maneira alguma enjeitavam. Favas, ervilhas, grão-de-bico, beringelas, espinafres, cenouras, nabos, rabanetes e pepinos, eram o brio dos seus hortejos e prática quotidiana da sua mesa. Não desprezavam igualmente o alfobre dos alhos, dos coentros e da hortelã. Sem esta última, o que seria da famosa infusão, verdadeira lenda bebível dos povos do Magreb.
Dos tempos do mítico Al-Andaluz até quase ao finar do XX, conservaram-se estes saber e fazeres. Basta-nos observar os hortejos que pululam por esse sul a fora, nas bordas das cidades e vilas, pequenos quinchosos onde o operário mantém o seu imaginário camponês.
O acto de regar sempre envolveu o prazer de saciar, do dar de beber ao que tem sede. É um acto fraterno muito ao jeito do camponês. Regar-de-pé, é uma expressão comum no vocabulário do hortelão cujo significado se prende com o conduzir da água através de regos, pela força da gravidade, de forma a que a terra húmida e saciada se torne produtiva. É precisamente nesses regos condutores da água, permanentemente húmidos, que cresce uma planta espontânea, em regra prostrada, carnosa e muito suculenta, da família das
portuláceas. É essa planta que, no léxico comum, se denomina de beldroega.
Sem saber ao certo das razões do acto, pela necessidade ou apenas a paixão da novidade, o certo é que imagino o hortelão puxando o chapéu desabado para o cocuruto, enquanto coçava a cabeça e remexia com o olho da enxada na carnuda planta, ao mesmo tempo que remoía com os seus botões que a dita tinha pés para andar a caminho da panela. Assim o pensou melhor o fez, possivelmente com a ajuda da mão cozinheira da sua Maria. O alho, mas a cabeça inteira. O queijo, à falta de outro vai o de cabra que também é queijo. E o pão? Claro, atão p’raquê o caldo sem a sopa de pão. E não é que a coisa tinha mesmo pés para andar! Tanto que tinha que, de ideia em ideia, de panela em panela, de sabor em sabor, angariaram as beldroegas companhia de peso e extravagância capazes de se cobrirem de glória.
Quem conta um conto acrescenta um ponto. Calhando, estou a meter a foice em seara alheia… No entanto, atrevo-me a imaginar assim o nascimento da fabulosa sopa de beldroegas
.


Sopa de beldroegas com queijo


2 molhos de beldroegas
1 Kg de batatas
4 cabeças de alho inteiras
2 queijos de cabra
4 ovos
1,5 dl de azeite
sal
pão duro fatiado

 

Partem-se as beldroegas aproveitando as folhas e os caules tenros. Tiram-se apenas as cascas exteriores das cabeças de alho, mantendo as cabeças inteiras. Aquece-se o azeite e refogam-se as cabeças de alho, juntando de seguida as beldroegas que também se refogam ligeiramente. Acrescenta-se a água (1.5 l ) ao refogado e deixa-se levantar fervura. Deitam-se os queijos cortados aos quartos mais as batatas às rodelas. Quando estas estiverem cozidas, rectifica-se o sal, escalfam-se os ovos e verte-se o caldo numa terrina sobre o pão fatiado. As beldroegas, o queijo, os ovos escalfados, as batatas e as cabeças de alho são servidos como acompanhamento em travessa à parte.


Para maior regalo da comedia (não, não é comédia é mesmo comedia… advém de comer… mais uma Alentejana), acompanhe com um branco maduro alentejano.
Como aconchego para dar azo à trabalheira da digestão, console-se com uns figos de S. João devidamente descascados e bem frescos.
E agora, à sesta malta, que se faz tarde, vamos mas é mornar no camalho.

 

Veja a receita completa em

http://webintercam.bravehost.com/Sopas.html

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Nuvem de etiquetas

%d bloggers like this: